Busca | Cadastre-se | Como Anunciar 
   
 CLASSIFICADOS
  
 Neg. & Oport.
   Empresas
   Equipamentos
   Serviços
   Outros
  
 Vagas
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Candidatos
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Cursos
  
 Vendo
  
 Doa-se
  
  
 GUIA EMPRESAS
 Adestradores
 Aquários
 Associações
 Atacadistas
 Aviculturas
 Banho e Tosa
 Canis
 Clínicas
 Consultorias
 Criadores
   Aves
   Roedores
   Reptil/Anfíbio
   Primatas
 Distribuidores
 DogSitter
 Entidades
 Fabricantes
 Gatis
 Hotéis
 Informática
 Laboratórios
 Padarias
 Passeadores
 PetShops
 Rações
 Representantes
 Serviços
 TaxiDog
  
 Lançamentos
 Reportagens
 Consultoria
 Dicas
 Veterinários
 Eventos
 Legislação
  
 Fórum
 Agility
 Raças
 Meu amigo Pet
 Pássaros
  
 PROMOÇÕES
 Busca
 Cadastre-se
 Como Anunciar
 Contato
  

   

O CORTE DE CAUDAS

Comum a muitas raças, a prática de cortar caudas é uma tradição. Criadores há muito tempo desenvolvem seus planteis com a prática da amputação da cauda nas raças onde esta prática se aplica. Entretanto, não fosse a estética preconizada pelo padrão oficial, não haveria, nos dias de hoje, nenhuma outra razão para a perpetuação da amputação de caudas em raças como o Dobermann, Rottweiler, Boxer, Schnauzer, Yorkshire, Poodle, Cocker Spaniel, entre diversas outras menos conhecidas e populares.

Toda raça foi desenvolvida para algum tipo de auxílio ao trabalho do homem. Eram cães que ajudavam o homem em minas de carvão, na caça, na guarda, ou mesmo para diversão destes em esportes como rinha entre animais. A fim de evitar que o cão tivesse sua cauda mutilada no desempenho deste trabalho, estes homens, nos primórdios, optaram por amputar as caudas para proteção de seus animais.

Ao longo dos tempos, e com a urbanização dos homens e seus cães, a utilidade de se cortar as caudas destes cães de trabalho perdera todo o seu caráter de proteção e passou a contribuir para a estética física dos cães, lhes conferindo aspecto de nobreza e beleza exótica. A mutilação pelo trabalho, tornou-se cada vez mais distante e pouco provável de acontecer, exceção feita às rinhas entre cães, que embora atualmente proibida em muitos países, são praticadas na clandestinidade, infelizmente.

Com o tempo, grupos de protecionistas resolveram defender a proposta de não mais se cortarem caudas e orelhas. Primeiro vieram os alemães, onde grupos endinheirados financiaram a proibição da amputação de orelhas e somente conseguiram a aprovação dos políticos em 1998. Logo, estenderam a campanha para o corte de caudas e disseminaram a proposta de não mais se amputar caudas e orelhas por toda a Europa, sendo a Suécia, o primeiro país em adotar a proibição e logo em seguida a Suiça, Dinamarca, Finlândia, Noruega, República Tcheca e Holanda. Curiosamente, a maior cinofilia do mundo, a Inglesa, não acatou a decisão e os cães nascidos ingleses continuam tendo suas caudas e orelhas amputadas. A FCI - Federação Cinológica Internacional estendeu a decisão de não cortar caudas e orelhas para seus 79 países membros e no Brasil, esta prática já se faz presente em clubes especializados como a APRO - Associação Paulista do Rottweiler. É um novo desafio para os criadores encontrar a melhor condição de porte de cauda e adaptar a harmonia do conjunto estrutural do cão a dinâmica da cauda.

É importante salientar que esta iniciativa partiu de grupos protecionistas e não dos criadores, onde a manutenção de caudas amputadas é defendida por vários clubes de raças.

Do ponto de vista de dor e risco, há quem diga que na idade que se amputa a cauda de um filhote, a partir do 3º dia de vida e até o 8º dia no máximo, não há grandes síndromes dolorosas para o animal, até mesmo porque o tempo de cirurgia não dura mais que trinta segundos e não existe praticamente perda de sangue e muitas vezes não se usa nem anestesia. O ideal é que o filhote, quanto mais novo estiver, mais precocemente seja amputada a cauda.

Após o 8º e 9º dia a cauda íntegra já interfere no equilíbrio do filhote. É quando o filhote já utiliza sua cauda para ajudá-lo a movimentar-se, servindo como extensão de seu meridiano de gravidade e contrapeso para ensaiar os primeiros passos sobre as quatro patas. A partir desta idade, o filhote também sente mais dor ao corte pela condição da cauda estar bem mais grossa, irrigada (hemodinamicamente), e com um certo desenvolvimento ósseo articular.

De certo é que este procedimento cirúrgico é puramente estético nos dias de hoje e dispensável se ao remodelar-se os padrões de beleza, optar-se para as raças com caudas íntegras.

Esta página é de responsabilidade de Marcello Alonso.
Criador e Proprietário do Canil Lord Manske - www.lordmanske.com.br
Diretor Regional - Sociedade Brasileira de Cinofilia
Sobraci - Ala Litoral - Juiz de raças.
Fone: (013)3426-8390 - canil@lordmanske.com.br


voltar...