Busca | Cadastre-se | Como Anunciar 
   
 CLASSIFICADOS
  
 Neg. & Oport.
   Empresas
   Equipamentos
   Serviços
   Outros
  
 Vagas
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Candidatos
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Cursos
  
 Vendo
  
 Doa-se
  
  
 GUIA EMPRESAS
 Adestradores
 Aquários
 Associações
 Atacadistas
 Aviculturas
 Banho e Tosa
 Canis
 Clínicas
 Consultorias
 Criadores
   Aves
   Roedores
   Reptil/Anfíbio
   Primatas
 Distribuidores
 DogSitter
 Entidades
 Fabricantes
 Gatis
 Hotéis
 Informática
 Laboratórios
 Padarias
 Passeadores
 PetShops
 Rações
 Representantes
 Serviços
 TaxiDog
  
 Lançamentos
 Reportagens
 Consultoria
 Dicas
 Veterinários
 Eventos
 Legislação
  
 Fórum
 Agility
 Raças
 Meu amigo Pet
 Pássaros
  
 PROMOÇÕES
 Busca
 Cadastre-se
 Como Anunciar
 Contato
  

   

CÃES E GATOS VÃO USAR PLACAS EM SP

Com medo da raiva e da leishmaniose, doenças que podem levar à morte, o município de Olímpia, no interior de São Paulo, decidiu que cães e gatos só podem andar nas ruas com placas semelhantes às de veículos.

A medida, adotada pela Secretaria da Saúde, passou a ser obrigatória para os cerca de 8.000 cães e estimados mil gatos de Olímpia (434 km de SP).

Os animais encontrados na rua sem a identificação serão sacrificados ou doados para pesquisas universitárias, segundo o secretário municipal da Saúde, Giovanni Batista Júlio, 40.

O emplacamento dos bichos começou anteontem, com a campanha de vacinação contra a raiva. Clínicas e casas de produtos veterinários também distribuem as placas gratuitamente. Segundo a diretora da Vigilância Sanitária, Sueli Ruiz, não houve resistência de moradores.

Cada animal recebe, em um cordão dependurado no pescoço, uma placa de 2 cm por 5 cm, com uma letra e oito números que permitem sua identificação e a do dono, a partir de um banco de dados. O cadastro traz o número de registro do animal, cor do pêlo, sexo, idade, informações sobre vacinas, o nome do dono, endereço e telefone.

A medida faz parte de um programa do Instituto Pasteur, ligado à Secretaria de Estado da Saúde, para controle da raiva.

Segundo a diretora-geral do órgão estadual, Neide Takaoka, desde 1997 foram distribuídas mais de 1 milhão de placas a municípios de São Paulo. Poucos adotaram a medida.

O último caso de raiva humana no Estado foi registrado em 97 em Avanhandava -região de Araçatuba (530 km de SP).

A incidência da doença tem diminuído também em animais, segundo estatísticas do Pasteur. Foram 11 casos em 1997, sete em 1998, cinco em 1999 e quatro em 2000. Este ano foi identificado um foco de raiva animal, com sete casos, em Espírito Santo do Pinhal.

O secretário de Olímpia considera que, além da raiva, o município pode se prevenir de eventual contágio de leishmaniose, doença que já matou seis pessoas desde 1999, de uma relação de 45 contaminados na região de Araçatuba. As duas cidade ficam distantes menos de 200 quilômetros. O controle, pelas placas, facilita também a adoção de política de controle de natalidade animal.

FONTE: EDMILSON ZANETTI da Agência Folha, em São José do Rio Preto


voltar...