Busca | Cadastre-se | Como Anunciar 
   
 CLASSIFICADOS
  
 Neg. & Oport.
   Empresas
   Equipamentos
   Serviços
   Outros
  
 Vagas
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Candidatos
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Cursos
  
 Vendo
  
 Doa-se
  
  
 GUIA EMPRESAS
 Adestradores
 Aquários
 Associações
 Atacadistas
 Aviculturas
 Banho e Tosa
 Canis
 Clínicas
 Consultorias
 Criadores
   Aves
   Roedores
   Reptil/Anfíbio
   Primatas
 Distribuidores
 DogSitter
 Entidades
 Fabricantes
 Gatis
 Hotéis
 Informática
 Laboratórios
 Padarias
 Passeadores
 PetShops
 Rações
 Representantes
 Serviços
 TaxiDog
  
 Lançamentos
 Reportagens
 Consultoria
 Dicas
 Veterinários
 Eventos
 Legislação
  
 Fórum
 Agility
 Raças
 Meu amigo Pet
 Pássaros
  
 PROMOÇÕES
 Busca
 Cadastre-se
 Como Anunciar
 Contato
  

   

SHARPEI

A ORIGEM DO SHARPEI

A origem do Shar-Pei e incerta. Pode ser um descendente do Chow Chow, a quem assemelha-se pela língua azul. E possível que tenha surgido inicialmente no Tibete ou no Norte da China ha 20 séculos, sendo que os primeiros exemplares da raça eram bem maiores do que os atuais. Existem obras de arte antiqüíssimas (Dinastia Han, 206 a.c) que retratam o Shar-Pei.

No passado esse excelente caçador de javalis e guardador de rebanhos, era também utilizado para combates, esporte extremamente popular na China. Sua pele solta dificultava o abocanhar dos adversários de combate e ha quem diga que eram utilizadas drogas para instigar sua agressividade, já que se trata de um cão afável e dócil.

O tipo físico original do Shar-Pei foi se perdendo na própria China, a partir do final da década de 40. Foi o preço pago pelo mundo canino em conseqüência da Revolução Comunista no país em 1949. Nessa época, a raça quase foi extinta. A posse de cães e outros animais de estimação virou um luxo proibido. Abriu-se uma exceção para os cães de camponeses que comprovadamente os usavam para caça. Os demais só poderiam ter o direito de existir se seus proprietários arcassem com multas altíssimas. Caso contrario, a sentença era a execução, cumprida pelos soldados de Mão Tse Tung. Os cães não trabalhadores do pais viram alimento para o povo esfomeado.

Por sorte, o Shar-Pei original era um excelente caçador. Por azar, o numero de caçadores era relativamente pequeno, restando poucos exemplares vivos. E mesmo entre esses nem todos escaparam da morte, e desta vez por uma seleção dos próprios caçadores, que utilizavam apenas os serviços dos exemplares considerados bons na caça. Os outros eram servidos a mesa.

Os poucos Shar-Peis sobreviventes tiveram que enfrentar ainda outro problema: os efeitos da desnutrição. Alimentando-se apenas com sobras das mesas dos camponeses, começaram a diminuir gradativamente de tamanho. A desnutrição impede que o tamanho ideal determinado pelo potencial genético seja atingido.

Os filhotes de pais desnutridos tendem a nascer menores e mais fracos, e assim sucessivamente, ate que o problema da desnutrição seja resolvido. Porem, mesmo quando a desnutrição acabou, o tamanho das novas gerações continuou menor. O fator responsável por isso provavelmente foram os acasalamentos consangüíneos e inter-raciais, já que havia pouquíssimos exemplares.

Os Shar-Peis diminuíram dos cerca de 58 centímetros para aproximadamente 45. Os malefícios da reprodução entre parentes e da mistura de raças perduram ate hoje. Apesar de o padrão pedir tamanhos maiores, a maioria dos cães não os atingem. E ate o texto do padrão novo se mostra complacente quanto a tal realidade: se um exemplar não estiver bem dentro dos parâmetros de tamanho descritos, não deve ser severamente penalizado. Ha de se compreender que o Shar-Pei perdeu seu talhe por volta de 1949.

A MUDANÇA

Em 1974, o Shar-Pei figurou no Livro Guiness dos Recordes como o cão mais raro do mundo. Um ano antes, alguns chineses, encabeçados por Matgo Law, de Hong Kong, lançaram um apelo de salvação a raça, publicado em revistas americanas: quem sabe se conseguirmos enviar alguns dos nossos cães para o seu país, eles poderão, algum dia, se tornar tão populares como o Pequinês ou o Chow-Chow" escreveu ele. Deu certo. Vários criadores americanos mostraram grande interesse pela raça. Mas havia um problema. A maioria dos exemplares disponíveis era aquela vinda da consangüinidade e da mestiçagem. Portanto, não tinha as características originais do Shar-Pei pre-revolução comunista. De acordo com Robert Horsnell, que mora na China e na época criava a raça, entre 1970 e 1976 foram enviados aos Estados Unidos cerca de 100 exemplares, poucos deles com o físico do tipo original.

O padrão com data oficial de 1981, o que sofreu as alterações, foi na verdade redigido pelos criadores chineses na década de 70. Daí terem feito, hoje, tantas mudanças em suas descrições, já que refletiam direitinho as características da maioria dos cães existentes na época, que eram frutos de acasalamentos incorretos.

Em 1994, a Federação Cinologica Internacional (FCI) promoveu diversas alterações no padrão da raça, e a mais importante foi justamente a redução das pelancas do cão adulto no tronco e no dorso. Segundo o novo padrão, as pelancas devem se concentrar na cabeça e no pescoço. Foram alteradas ainda as proporções de peso e altura do cão. Na versão antiga do padrão da raça estabelecia-se que a cabeça deveria ser bem grande em comparação com o resto do corpo, o que pelo novo padrão da raça e desabonador, assim como o excesso de peso e de altura.

Se anteriormente as medidas estabelecidas variavam entre 40 e 51 centímetros (medidos na parte mais alta do dorso, a cernelha), hoje o padrão pede altura entre 48 e 58,5. Vale dizer que houve um engano na tradução brasileira do novo padrão, na qual consta que a medida deve variar entre 47,5 e 57,5.

Na pratica, a mudança e radical. O Shar-Pei que antes podia ser um pouco maior que o Cocker, pode, agora, ter a altura de um Dálmata. O peso que antes simplesmente não era determinado, passou a ser limitado entre 18 e 29 quilos. O resultado do Shar Pei descrito pelas regras atuais e um cão menos robusto e atarracado. Ele e mais alto e tem limite Maximo de peso, o que exige uma ossatura mais leve e traz uma aparência mais longilinia, ainda que essa palavra seja um pouco exagerada para descrever a raça.

De aparência exótica e bastante singular, o Shar-Pei é um cão compacto, ágil e forte, caracterizado pela pele solta que forma pregas pelo corpo. Tem orelhas pequenas e retangulares, dobradas em direção aos olhos. Sua cauda e vertida em direção ao tronco e sua pelagem e curta e eriçada. Parece estar sempre um pouco triste, mas e um cachorro alegre e que se adapta bem a casa. Tranqüilo e leal, tem particular facilidade em se relacionar com as crianças.

A principal característica física da raça – a abundancia de rugas – foi recentemente alterada pelos chineses, mas quando filhote o Shar-Pei ainda e considerado o cão mais enrugado do mundo.

As rugas da cabeça podem também causar problemas de vista, especialmente se caem na frente dos olhos, pois acabam fazendo com que as pálpebras e cílios entrem nos olhos (entropio), causando uma irritação que pode evoluir para lesões na córnea, levando a cegueira. Para evitar isso, recomenda-se que se de 3 pontos nas pálpebras do cão ainda filhote a fim de que se formem pregas que impedem que as pálpebras caiam sobre os olhos. Esse procedimento só surte efeito quando o cão e filhote, pois a musculatura esta em processo de desenvolvimento, o mesmo não cabendo para o cão adulto, com a musculatura desenvolvida. Neste caso, o único recurso e uma cirurgia definitiva, que retira parte de pálpebra. Assim, ao primeiro sinal de irritação nos olhos e conveniente procurar um veterinário para um diagnóstico preciso.

Existem alguns também exemplares com mordedura prognata (dentes da frente da arcada de baixo fecham acima da arcada superior). Apesar de não ser uma doença, e considerado um defeito originado pelas miscigenações. O padrão pede mordedura em tesoura (igual a humana).

O ronco e uma característica típica da raça, causada pela passagem do ar pelo palato (céu da boca), que possui conformação mais alongada que a comum. Em alguns casos e necessária uma cirurgia corretiva para que o cão possa respirar melhor. Normalmente, não costuma provocar problemas para os exemplares. Como e de praxe, os cães que apresentem quaisquer desses problemas não devem ser acasalados para evitar que a tendência genética se expanda.

Como dica de acasalamento, vale lembrar que o Shar-Pei pode ter a pelagem ate 2,5 centímetros de comprimento na região da cernelha. Quando vai ate 1,5 e chamada de horse coat. já a mais longa recebe o apelido de brusch coat. A recomendação do clube americano e não cruzar por muitas gerações seguidas exemplares brush, evitando que os pelos se alonguem demais ou percam a textura áspera

SER SHARPEI É:

Aprender rapidamente os hábitos de higiene.

Gostar de ficar deitado ao lado dos donos, na maior tranqüilidade. Nada de grandes agitos e correrias.

Dar-se bem com pessoas estranhas.

Nem sempre gostar de outros cães, herança das raças de luta.

Viver bem em lugares grandes ou pequenos.

Ser caseiro, de fácil adaptação.

Não precisar de mais de 15 minutos de passeio por dia.

Latir pouquíssimo.

Gostar de crianças, ainda que canse logo e não agüente horas de folia.

Chamar atenção onde quer que esteja.

Conquistar corações com um jeito especialmente envolvente e cativante.



Todos os direito autoriais das fotografias pertencem ao Canil Astaroth.

Esta página é de responsabilidade de Nilza Rejane.
Proprietária do Canil Astaroth - Especializado na criação da Raça Sharpei
Fone: (051)496-4333
canil@astaroth.vet.br - http://www.astaroth.vet.br.