Busca | Cadastre-se | Como Anunciar 
   
 CLASSIFICADOS
  
 Neg. & Oport.
   Empresas
   Equipamentos
   Serviços
   Outros
  
 Vagas
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Candidatos
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Cursos
  
 Vendo
  
 Doa-se
  
  
 GUIA EMPRESAS
 Adestradores
 Aquários
 Associações
 Atacadistas
 Aviculturas
 Banho e Tosa
 Canis
 Clínicas
 Consultorias
 Criadores
   Aves
   Roedores
   Reptil/Anfíbio
   Primatas
 Distribuidores
 DogSitter
 Entidades
 Fabricantes
 Gatis
 Hotéis
 Informática
 Laboratórios
 Padarias
 Passeadores
 PetShops
 Rações
 Representantes
 Serviços
 TaxiDog
  
 Lançamentos
 Reportagens
 Consultoria
 Dicas
 Veterinários
 Eventos
 Legislação
  
 Agility
 Raças
 Meu amigo Pet
 Pássaros
  
 PROMOÇÕES
 Busca
 Cadastre-se
 Como Anunciar
 Contato
  

   

POODLE

ORIGEM DO POODLE
Muito se tem discutido sobre a verdadeira origem do Poodle. Alguns afirmam categoricamente que eles vieram da Alemanha sendo chamados de Pudel ou Pudellin, que significa "chafurdar", ou seja, brincar na água. Outros, com a mesma firmeza, afirmam que ele é originário da França onde era conhecido como Chien Canard ou "cão pato" por sua habilidade como nadador e caçador de patos. Há, entretanto, uma outra versão que considera o Poodle um descendente do Barbet, um cão originário da África do Norte e que mais tarde penetrou na Europa.

Se por um lado sua origem é bastante discutida, sua antigüidade é indiscutível.

O Poodle pode ser visto em estátuas da Roma antiga bem como em tapeçarias do século XV. Ele foi citado pelo escritor Von Gesner em 1524 e novamente entre 1551 e 1558 no Livro "Historie Animalum" do próprio Von Gesner. É retratado em um quadro de De Vos que representa Tobias acompanhado de um Poodle. Em 1787, Beethoven compôs a "Elegia à morte de um poodle". Goethe imortalizou o Poodle em "Fausto" pois é na forma de um poodle que Mefistófeles aparece no palco.

Existe uma Sra. Ionides que possuí uma coleção de pintura, gravuras, livros e porcelanas que abrange um período de 400 anos. Entre esses exemplares encontra-se uma gravura datada de 1529, onde Ceres, junto a um lago, esta acompanhada de um Poodle branco e de pêlo trimado. No quadro "The dancing Boy", de Stern, de 1635 aparece um Poodle branco. A coleção da Sra. Ionides comprova inegavelmente a antigüidade da raça. Existe ainda, uma gravura de 1812, onde Napoleão aparece em uma cena de retorno das guerras sendo recebido por sua esposa e seu Poodle.

O mais interessante em todas essas gravuras é que em quase todas o Poodle aparece com o corte Leão, demonstrando assim ser esta a forma mais tradicional de trimar o seu pêlo.

Voltando as origens do Poodle, apesar das divergências, os estudiosos acreditam que os ancestrais do Poodle de hoje se concentram na antiga Rússia e na Alemanha. O antecessor russo era um cão de grande porte e que ganhou prestígio na caça. O alemão foi um famoso e robusto caçador de aves aquáticas. A partir deste ponto a origem do Poodle se bifurca em duas versões distintas. Alguns pesquisadores garantem que da Alemanha o Poodle foi levado para a Inglaterra, por volta do século XIV e eles teriam sido os responsáveis pelo desenvolvimento de suas outras variedades a partir do antigo Pudel médio alemão. Obteve-se assim o Poodle Gigante, usado como guardião e o Poodle Pequeno usado como companhia e também como localizador de trufas graças ao seu excelente faro e que teria sido importado pelos franceses para utilização na mesma tarefa. A segunda versão sustenta que da Alemanha o Pudel segui primeiro para a França, sendo cruzado com o Barbet. De acordo com esta teoria os franceses desenvolveram um outro tipo de Poodle ou seja, o "cão trufeiro" que mais tarde foi importado pela Inglaterra. Quem defende esta versão afirma inclusive que foram os franceses que desenvolveram as variedades do Poodle e lhe deram projeção mundial transformando-o assim em um nobre cão de companhia.

É da França que vem o 1o. Padrão Oficial da Raça elaborado pela FCI (Federação Cinológica Internacional), em 1910. O Poodle tornou-se raça oficial em 1874 ao obter seu primeiro registro no Livro de Origem do Kennel Club da Inglaterra, isto estimulou este país a fundação do primeiro Clube representante da raça em 1876.O nome Poodle deriva da palavra alemã "pudellin" (brincar na água). Os franceses o chamam até hoje de "Caniche" pois antigamente o chamavam Canes e as fêmeas de Caniche. Hoje Caniche designa ambos os sexos. Os franceses sempre dedicaram especial atenção ao Poodle e este sempre fez por merecer sendo sempre um cão sensato e inteligente, devotando enorme fidelidade a seu dono. Existe inclusive um antigo ditado popular francês "Fidèle comme une Caniche" (Fiel como um Poodle) o que demonstra toda a dedicação dos franceses por esta raça.

Com relação a tosa, há evidências de que as variedades surgiram na Alemanha, na época do antigo Pudellin usado no pastoreio. Diz a lenda que o corte Leão servia para assustar os lobos que rondavam os rebanhos. Na França ele era tosado para facilitar sua movimentação na água durante a caça de aves aquáticas, deixando pêlos somente nas partes que necessitavam de proteção contra as baixas temperaturas da água, ou seja, na região em volta dos rins, pulmões e articulações. Acredita-se que os pompons das patas têm origem nos pompons das roupas dos palhaços pois o Poodle devido a sua notável inteligência sempre foi usado pelo meio artístico, anteriormente pelos saltimbancos e nos dias de hoje pelas trupes circenses.


O Poodle tornou-se cão de companhia por volta do século XVI, já em tamanho reduzido, e logo foi considerado um cão de luxo, ganhando assim a admiração dos aristocratas e passando a conviver intimamente com a vida palaciana. Naquela época possuir um cão de luxo conferia ao dono status e prestígio social.

Não podemos nos esquecer de citar ainda o Poodle Encordoado. Os especialistas acreditam que esta variedade de Poodle seja de procedência russa ou alemã. Chama-se encordoado pois sua pelagem tende a formar "cordas" (poil cordés) naturalmente. Existem polêmicas quanto a este encordoamento pois alguns afirmam que o pêlo encordoa devido a técnicas especiais, entretanto esta variedade de Poodle foi muito popular no século passado, principalmente na Inglaterra. Hoje é uma variedade muito rara. Acreditam que esta variedade tenha diminuído pelos problemas que este tipo de pelagem causa tendo em vista que as cordas não podem ser escovadas e nem bem lavadas o que ocasiona acúmulo de sujeira, insetos, etc.

ESTÓRIAS QUE ILUSTRAM A FIDELIDADE E INTELIGÊNCIA DO POODLE:

Em 1544, na cidade de Colmar, foi erguido um monumento de bronze com a figura de um Poodle. Este monumento foi erguido pelo dono do cão que o havia salvo a vida e esta foi a maneira encontrada por ele para perpetuar a memória de seu adorado Poodle.

Em 1640, Peter Scheitlin escreveu "O cão mais perfeito é o Caniche. Todas as qualidades de modéstia e de bravura, que caracterizam o cão, se encontram nele reunidas: particularidades, originalidade e genialidades. Nele é tudo psique. O Caniche é bom por natureza. Quando é mau é porque o homem o fez mau".

O Príncipe Rupert possuía um poodle branco chamado Boy que "lutou" com ele em guerras (1642). Ambos morreram no campo da Batalha de Marston Moor em 1643.

Em 1700 um grupo de Poodles ganhou grande destaque nas cortes onde dançavam o "The Ball of Little Dogs".

Em Londres e Paris de 1814 a 1818 um Poodle chamado Munito ficou famoso brincando com cartas e resolvendo problemas matemáticos.

Moustache foi um poodle que nasceu em 1800 na Normandia e "lutou" pela França em várias batalhas sendo inclusive condecorado. Era jovem quando "ingressou" no regimento dos granadeiros franceses. Lutou na Batalhas de Marengo e de Austerlitz. Na Batalha de Marengo ele avisou aos franceses da presença dos austríacos evitando assim um ataque de surpresa e que contribuiu para que os franceses saíssem vencedores. Na de Austerlitz, o soldado que levava a bandeira do regimento francês foi morto e Moustache, sem que ninguém ordenasse pegou a bandeira e a levou de volta para o campo francês evitando assim que a mesma caísse em mãos austríacas salvando desta forma a honra de seu regimento. Ele morreu em 1811 "lutando" na Batalha de Badajoz, na Espanha. Foi enterrado no próprio campo de batalha juntamente com sua coleira e medalhas e com todas as honras militares.

Não existem registros da chegada do Poodle ao Brasil. Nos Estados Unidos eles chegaram em 1800, vindos da Inglaterra. O primeiro Clube do Poodle Brasileiro foi criado no Rio de Janeiro nos anos 80, este clube fechou. Hoje em dia, o único clube oficial da raça no Brasil é o Poodle Clube Paulista www.poodleclube.com.br fundado em 1998.


TEMPERAMENTO

O Poodle é um cão muito especial, nunca se considerará um cachorro, ele é parte da família! Acostumem-se a falar com ele, ele pode entender a entonação das palavras e os gestos de mão. Em pouco tempo entenderá tudo e até para a família parecerá mais pessoa que cão.

Gosta de carinho e convívio com as pessoas detestando que o deixem sozinho. Ao adquirir um Poodle nunca devemos esquecer que ele é um cão de companhia. Se as circunstâncias domésticas obrigam a deixar o Poodle sozinho durante muitas horas é melhor neste caso ter dois, assim um fará companhia ao outro.

É um animal de inteligência notável, vivaz, carinhoso e alegre, dócil, obediente, afetuoso e de fácil adestramento, apesar de não ser adequado como guarda, devido sobretudo a sua docilidade, ele latirá se observar alguma coisa fora do comum. Observará tudo com atenção e uma vez que aprenda um exercício nunca esquecerá.


Adora ter seus brinquedos e faz questão de guarda-los num lugar especial, que pode ser a própria caminha. São um pouco temperamentais e caso lhe chame atenção muito forte, ficará triste, mas logo voltará ao normal, o importante é que todos os membros da família o ensinem a se comportar corretamente, pois caso somente um lhe eduque e os demais só lhe façam afagos, ele nada aprenderá.

Os Poodles são extremamente sensíveis, ficam felizes quando vêem seus donos contentes, e tristes quando alguma coisa não vai bem. Se adaptam aos mais diversos donos em todas as idades. É um companheiro tranqüilo e compreensivo para as pessoas idosas, paciente e seguro com as brincadeiras das crianças, assim como pode ser um alegre entretenimento para pessoas que vivem sozinhas.

Possui uma grande capacidade de afeto e fidelidade e será o companheiro inseparável de toda a família.

APARÊNCIA GERAL

Classificado como cão de utilidade e companhia. Harmonioso, mediolineo, de pelagem encaracolada, cacheada ou encordoada. Expressão inteligente, constantemente alerta, ativo, harmoniosamente planejado para impressionar pela elegância e dignidade.

O Poodle movimenta-se com uma andadura leve e saltitante. Jamais apresenta uma movimentação deslizante e alongada. Reconhecido por sua fidelidade, hábil no aprendizado e no adestramento, torna-se um cão de companhia particularmente agradável.

Apresenta-se na cores: preto, branco, marrom, cinza e abricó.



Sua pelagem pode ser:

  • Cacheada: pêlo abundante de textura fina, lanosa, bem encrespada, elástico e resistente a pressão da mão. Espesso, farto, de comprimento uniforme formando cachos e geralmente penteados. O pêlo duro ao toque, com aparência de crina, é indesejável, sendo preterido diante de um exemplar que ostenta uma pelagem com textura regulamentar.

  • Encordoada: pêlo de textura fina, lanosa, fechada e abundante, formando cordões, de comprimento uniforme, bem característicos.

    TAMANHOS OFICIAIS DA RAÇA

    Existem quatro tamanhos oficiais da raça:

  • Poodle Toy ou miniatura (ate 28 cm).
  • Poodle Anão (de 28 cm até 35cm).
  • Poodle Médio (de 35cm até 45 cm).
  • Poodle Gigante ou Standard (de 45 cm até 60 cm) com uma tolerância de + 2 cm (ou seja, pode ir até 62 cm).


    Esta foto pertence ao Poodle Clube Paulista - www.poodleclube.com.br


  • Os cães fotografados nesta página são de propriedade de
    Shambala Kennel
    Tel.: (011)3743-0682


    Esta página é de responsabilidade de Maria Gloria Romero.
    Proprietária do Shambala Kennel, juiza Internacional e atual presidente do Poodle Clube Paulista.
    Fone: (011)3743-0682 - shambala@globo.com
    http://www.shambala.vet.br.