Busca | Cadastre-se | Como Anunciar 
   
 CLASSIFICADOS
  
 Neg. & Oport.
   Empresas
   Equipamentos
   Serviços
   Outros
  
 Vagas
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Candidatos
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Cursos
  
 Vendo
  
 Doa-se
  
  
 GUIA EMPRESAS
 Adestradores
 Aquários
 Associações
 Atacadistas
 Aviculturas
 Banho e Tosa
 Canis
 Clínicas
 Consultorias
 Criadores
   Aves
   Roedores
   Reptil/Anfíbio
   Primatas
 Distribuidores
 DogSitter
 Entidades
 Fabricantes
 Gatis
 Hotéis
 Informática
 Laboratórios
 Padarias
 Passeadores
 PetShops
 Rações
 Representantes
 Serviços
 TaxiDog
  
 Lançamentos
 Reportagens
 Consultoria
 Dicas
 Veterinários
 Eventos
 Legislação
  
 Fórum
 Agility
 Raças
 Meu amigo Pet
 Pássaros
  
 PROMOÇÕES
 Busca
 Cadastre-se
 Como Anunciar
 Contato
  

   

Dobermann

Origem e História:

O criador da raça, Friedrich Louis Dobermann, fora um coletor de impostos, e em período não integral cão pegador, legalmente habilitado a apanhar todos os cães perdidos. Ele criou com animais do seu plantel, escolhendo aqueles que possuíam as características do "cão ideal" que procurava. Ele precisava de um cão que o acompanhasse em seu trabalho, percorrendo lugares infestados por bandidos, um cão que não temesse nada e fosse capaz de arriscar a própria vida se necessário.

Os assim chamados "cães carniceiros", que ainda eram considerados de raça relativamente pura naquela época, representaram o mais importante papel na origem da raça Doberman. Estes cães foram um tipo primitivo do Rottweiler, mesclados com um tipo de pastor que existiu em "Thüringen" preto com marcação castanho. Herr Dobermann criou com esta mestiçagem de cães, no século 18. Deste modo, ele obteve "sua criação": uma raça, não apenas alerta, mas altamente protetora, trabalhadora e apegada à sua "família". Eles eram freqüentemente utilizados como guardiães, cães de polícia, e foram muito utilizados inclusive durante a guerra.

Características da Raça:

"O Doberman é um cão sensitivo, vivamente alerta a seus sentimentos e desejos. Depois de ele ter passado alguns anos com você, você irá perceber que não precisa falar quando desejar algo. Ele vai saber e responder. Você se torna parte dele, e ele se torna uma parte de você; e a única parte trágica de ter um Doberman é aquela parte de você que é enterrada junto com ele quando ele morre." - trecho escrito por Frank Grover no livro "The New Doberman Pinscher".

O que mais chama a atenção na maioria dos admiradores do Doberman é sua beleza, elegância e nobreza que não se encontram em tanto equilíbrio em outra raça.

O Doberman é muito inteligente, afetuoso, obediente. É um cão enérgico com muita força, velocidade, e agilidade. É uma raça dominante, quando convive com outros animais geralmente se torna o "chefe" deles. Adoram a companhia de pessoas, além de conviverem muito bem com outros animais.

Se apega muito aos seus donos, os quais protege com a própria vida. Obedece facilmente quem gosta e respeita. Se acostumado desde filhote, se torna amigo leal e inseparável das crianças. Tem grande necessidade de atenção, é ciumento, gosta de estar sempre ao lado do dono e faz qualquer coisa por ele.

A raça se adapta muito bem no que se refere a espaço, podem viver tanto em casas não muito grandes (às vezes até um apartamento, desde que pratique exercícios diários, como uma caminhada, por exemplo), quanto em grandes fazendas. Qualquer que seja o local onde vive, estará sempre correndo pelo terreno para se certificar de que está tudo ok em seu território. Se acostuma à rotina da família, é capaz de passar horas deitado e vendo tv ao lado do dono, assim como pode passar o dia todo correndo ou praticando esportes.

A guarda é um instinto natural da raça. Por ser um cão muito atento e obediente, é facilmente treinável. Dobermans aprendem rapidamente e podem ser treinados desde filhotinhos. É uma raça que se adapta muito bem a todo tipo de esportes e treinos praticados com cães pela sua agilidade, força, resistência e inteligência.

Na guarda, a raça também se destaca pela habilidade de saltar em todas as direções e desviar de chutes, tiros e facadas. Isso reduz a vulnerabilidade durante um confronto. Com um salto rápido e certeiro, pode impedir que um bandido use uma arma. Suas qualidades físicas permitem ainda percorrer um terreno por um bom tempo sem se cansar. Essa capacidade é importantíssima para defender sítios ou terrenos industriais. Um bom Doberman também consegue correr em alta velocidade, o que facilita perseguições a invasores.

Quanto à higiene, são cães limpos e não precisam de banhos com freqüência, além de ser uma raça de fácil manejo devido sua pelagem curta e pele bem ajustada ao corpo. Possui certa tendência a ter calos nos cotovelos e jarretes por ser uma raça de grande porte, o que pode ser evitado com uma "cama" macia.

Padrão Oficial da Raça:

Padrão FCI Nº:143 d: 14 de fevereiro de 1994
Padrão CBKC Nº:143: 02 de agosto de 1994
Classificação F.C.I.
Grupo: Grupo 2 - Pinschers, Schnauzers, Molossos e Boiadeiros Suiços. Seção 1 - Pinscher
País de origem: Alemanha.
Nomes no país de origem: Dobermann Pinscher; EUA - Doberman Pinscher; CBKC - Doberman.
Utilização originalmente cão de guarda, vigia e hoje, também é utilizado como cão de companhia.

Sumário Histórico: O Doberman é a única raça que traz o nome de seu criador de origem, Friedrich Louis Dobermann (02/01/1834 - 09/06/1894). Supõe-se que ele fora um coletor de impostos, gerente de abatedouro vísceras (aptidão) e em período não integral cão pegador, legalmente habilitado a apanhar todos os cães perdidos. Ele criou com animais do seu plantel, que eram particularmente aguçados. Os assim chamados "cães carniceiros", que ainda eram considerados de raça relativamente pura naquela época, representou o mais importante papel na origem da raça Doberman. Estes cães foram um tipo primitivo do Rottweiler, mesclados com um tipo de pastor que existiu em "Thüringen" preto com marcação castanho. Herr Dobermann criou com esta mestiçagem de cães, no século 18. Deste modo, ele obteve "sua criação": uma raça, não apenas alerta, mas altamente protetora, trabalhadora e em domicílio. Eles eram freqüentemente utilizados como guardiães e cães de polícia. Sua extensa utilização no serviço policial deu-lhe o apelido de "Gendarme dog". Eles foram utilizados em caçadas para controlar grandes animais daninhos. Nessas circunstâncias era mister que o Doberman fosse reconhecido oficialmente como "cão de polícia", no início do século.

A raça Doberman requer um cão de porte médio, poderoso e musculoso. Apesar de sua substância, ele deve ser elegante e nobre, o que fica evidenciado pelas linhas de seu corpo. Deve ser excepcionalmente adequado como cão de escolta, proteção, como também, cão de família.

Aparência Geral: O Doberman é um cão de porte médio, forte e musculosamente construído. Através das elegantes linhas de seu corpo, sua estatura arrogante e sua expressão de determinação, ele configura a estampa de um cão ideal.

Proporções Importantes: O tronco do Doberman se afigura quase quadrada, particularmente nos machos. O comprimento do tronco, medido desde a ponta do ombro até a ponta do ísquio (nádegas), nos machos, não deve ser maior que 5% da sua altura na cernelha e, nas fêmeas, 10%.

Comportamento e Temperamento: A atitude do Doberman é amigável e calma; muito devotado à família ele ama as crianças. É desejável um temperamento e aspereza médios. É exigido um limiar de excitação médio com um bom relacionamento com seu dono. De fácil aprendizado, o Doberman adora o trabalho, devendo possuir para tal, expressiva habilidade, coragem e dureza. São também exigidos os valores de autoconfiança e intrepidez, como também, adaptabilidade e atenção para se encaixar no ambiente social.

Cabeça: Região do Crânio: robusta em proporção ao tronco. Visto por cima, a cabeça tem um contorno moderadamente cuneiforme. Visto pela frente, o topo do crânio é quase horizontal sem descair para as orelhas. De perfil, a linha superior do focinho é quase reta, em relação à linha superior do crânio, a qual se arredonda sutilmente para a linha superior do pescoço. A arcada superciliar é bem desenvolvida, sem protrusão. O sulco sagital é brandamente visível. O occipital não deve ser eminente. Visto de frente e de topo, as faces da cabeça não devem ser salientes. O suave arqueamento entre a região posterior da maxila e o osso malar deve harmonizar-se com o comprimento total da cabeça, cujos músculos devem ser bem desenvolvidos.

Stop: suave mas, visivelmente desenvolvido.

Região Facial: Trufa: narinas bem desenvolvidas,mais para larga que para redonda, com aberturas amplas, sem protrusão no conjunto. Preta nos cães pretos; nos marrons, cores correspondentes mais claras.

Focinho: está em proporção correta com o crânio devendo ser fortemente desenvolvido e com profundidade. A abertura da boca deve ser ampla, alcançando os dentes molares. Na região dos incisivos, superiores e inferiores, o focinho deve ter boa largura.

Lábios: pele bem ajustada e bem modelada aos maxilares, o que garante uma oclusão totalmente cerrada da boca. O pigmento das gengivas deve ser escuro; nos cães marrons a nuança é correspondente e mais clara.

Maxilares/Dentadura/Dentes: maxilares poderosos, tanto o superior quanto o inferior, mordedura em tesoura, 42 dentes corretamente engastados e de tamanho médio.

Olhos: de tamanho médio, ovais e de cor escura. Nuanças mais claras são permitidas em exemplares marrons. Pálpebras bem ajustadas e revestidas pela pelagem. Alopécia das pálpebras é altamente indesejável.

Orelhas: de inserção alta, portadas eretas e operadas com um comprimento proporcional à cabeça. Nos países cuja otectomia é proibida, as orelhas inteiras são igualmente reconhecidas (de preferência, tamanho médio com a borda anterior caindo rente às faces).

Pescoço: De bom comprimento, sendo proporcional ao tronco e à cabeça. É seco e musculado. O contorno emerge gradualmente, com uma curvatura suave. Portado empinado exibindo muita nobreza.

Cernelha: pronunciada tanto do comprimento quanto na altura, especialmente nos machos, determinando, desse modo, a inclinação da linha superior subindo da garupa para a cernelha.

Dorso: curto e firme, de boa largura e bem musculado.

Peito: de comprimento e largura em correta proporção com o comprimento do tronco. A profundidade, com costelas suavemente arqueadas, deve ser de, aproximadamente, 50% da altura na cernelha. Peito de boa largura e antepeito especialmente bem desenvolvido.

Lombo: de boa largura e bem musculado. A fêmea pode ser mais longa no lombo em razão da necessidade de espaço para a lactação.

Linha inferior: do final do esterno à pelvis perceptivelmente esgalgada.

Garupa: suavemente caída, dificilmente perceptível do osso sacro à raiz da cauda, parecendo bem arredondada, sem ser reta nem muito caída, de boa largura e bem musculada.

Cauda: de inserção alta e amputada curta, na região aproximada da articulação da segunda com a terceira vértebra caudal (duas vértebras caudais permanecem visíveis). Nos países cuja caudectomia é proibida a cauda pode permanecer íntegra.

Membros Anteriores: Generalidades - visto de qualquer ângulo, são quase retos, verticais e fortemente desenvolvidos.

Ombros: escápula bem ajustada contra o tórax, ambos os lados da borda da escápula são bem musculados alcançando acima do ápice da vértebra torácica, o mais inclinada possível e bem acoplada ao dorso. O ângulo com a horizontal é de, aproximadamente, 50%.

Braço: de bom comprimento, bem musculado, com o úmero fazendo um ângulo com a escápula, aproximado, de 110º a 115º.

Cotovelo: trabalhando bem ajustado ao tórax, sem ser para fora.

Antebraço: forte e reto. Bem musculado. Comprimento em harmonia com o corpo inteiro.

Carpo: forte.

Metacarpo: ossatura forte. Visto de frente, reto. Visto de perfil, somente uma suave inclinação, máximo 10º.

Patas anteriores: Pequenas e compactas. Dígitos bem arqueados para cima (pés-de-gato). Unhas curtas e pretas.

Membros Posteriores: Generalidades - visto por trás, o Doberman parece, que por causa do seu bom desenvolvimento muscular pélvico no coxo e garupa, largo e arredondado. Os músculos correndo do osso pélvico para a coxa e a perna resulta numa largura bem desenvolvida, assim como na região da coxa, na região da articulação do joelho e na perna. Os posteriores fortes, retos e paralelos.

Coxa: de bom comprimento e largura, bem musculada. Boa angulação coxofemoral, fazendo um ângulo aproximado de 80º a 85º com a horizontal.

Joelho: articulação forte sendo formada pela coxa com a perna, bem como a rótula. Angulação aproximada de 130º.

Perna:de comprimento médio e em harmonia com o comprimento total do membro posterior.

Jarrete: médio forte e paralelo. A tíbia articula-se com o metatarso na articulação do jarrete (ângulo em torno de 140º).

Metatarso: curto e vertical.

Pata posterior: como as anteriores, os dígitos são curtos, arqueados e compactos. Unhas curtas e pretas.

Movimentação: De especial importância tanto para a capacidade de trabalho quanto para a aparência externa. Movimentação elástica, elegante, ágil e boa cobertura de solo. Os membros anteriores alcançando o mais longe possível. Os posteriores fornecendo uma propulsão elástica e de boa amplitude. Anteriores e posteriores de lados opostos movendo-se simultaneamente. Apresenta boa estabilidade nos posteriores, ligamentos e articulações.

Pele: Ajustada, toda bem amoldada e bem pigmentada.

Pêlos: curtos, duros e retos. Muito bem assentes, lisos e igualmente distribuídos em toda a superfície. Sem subpêlos.

Cor: preto ou marrom, com marcações vermelho ferrugem claramente definidas e limpas: no focinho, uma ilha em cada face e acima dos olhos, no topo dos supercílios, na garganta, duas marcas no antepeito, no metacarpo, metatarso e pés, na face interna das coxas, nos membros e sob a cauda.

Altura: no ponto mais alto da cernelha. Machos: 68 - 72 cm. Fêmeas: 63 - 68 cm. O tamanho médio é o desejado.

Peso: Machos em torno de 40 - 45 quilos. Fêmeas em torno de 32 - 35 quilos.

Faltas: Qualquer desvio dos termos deste padrão deverá ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade.

Cabeça: muito pesada; muito estreita; muito pequena; muito longa; pouco stop; nariz romano; linha superior do crânio muito inclinada; mandíbula fraca; olhos redondos ou rasgados; olhos claros; bochechas muito pesadas; lábios pendentes; olhos protuberantes ou muito profundos; orelhas de inserção muito alta ou muito baixa; comissura labial caída.

Pescoço: ligeiramente curto; muito curto; pele solta na garganta; barbela; muito longo (em desarmonia); pescoço de ovelha.

Tronco: falta de firmeza no dorso; garupa caída; oscilação de dorso; dorso carpeado; arqueamento de costelas insuficiente ou excessivo; profundidade ou largura de peito insuficiente; linha superior muito longa; falta de antepeito; cauda de inserção muito alta ou muito baixa; esgalgamento insuficiente ou excessivo.

Membros: angulação muito aberta ou muito fechada; cotovelos soltos; desvio da posição padrão e do comprimento de ossos e articulações; patas muito compactas ou espalmadas; jarrete de vaca, expulsão de jarretes, jarretes muito juntos; patas abertas ou cedidas; dedos tortos; unhas claras.

Pelagem: marcação muito clara ou de contorno indefinido; marcação suja; máscara muito escura; mancha preta no metacarpo; marcação no peito quase invisível ou muito grande; pêlos longos, macios, encaracolados ou foscos. Pelagem fina, alopécia; grandes tufos de pêlos principalmente no tronco; subpêlo visível.

Caráter: autoconfiança inadequada; temperamento muito forte; aspereza muito alta; limiar de excitação muito baixo ou muito alto.

Talhe: desvio do tamanho em mais de 2cm do determinado pelo padrão resulta baixo nível de qualidade.

Movimentação: bamboleante; curta ou dura; passo de camelo.

Desqualificações: Características sexuais acentuadamente reversas. olhos amarelos (olhos de falcão); olhos louçados. Dentadura, prognatismo superior, mordedura em torquês, prognatismo inferior e falta de dentes. Pelagem: manchas brancas; pêlos acentuadamente longos ou ondulados; pelagem acentuadamente fina ou grandes áreas de alopécia. Caráter: exemplares medrosos, nervosos ou agressivos. Talhe: desvio maior que 2 centímetros.

NOTA: Os machos devem apresentar dois testículos de aparência normal, bem desenvolvidos e acomodados na bolsa escrotal.

Esta página é de responsabilidade de Kathleen Schwab - Phanomen Dobermans
Site: www.doberman.com.br - E-mail: phanomen@ig.com.br
Tel: (11) 9292-7925 - São Paulo - SP