Busca | Cadastre-se | Como Anunciar 
   
 CLASSIFICADOS
  
 Neg. & Oport.
   Empresas
   Equipamentos
   Serviços
   Outros
  
 Vagas
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Candidatos
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Cursos
  
 Vendo
  
 Doa-se
  
  
 Lançamentos
 Reportagens
 Consultoria
 Dicas
 Veterinários
 Eventos
 Legislação
  
 Agility
 Raças
 Meu amigo Pet
 Pássaros
  
 PROMOÇÕES
 Busca
 Cadastre-se
 Como Anunciar
 Contato
  

   

Lançamentos

LABCON TEST AMÔNIA TÓXICA - TESTE DE AMÔNIA PARA AQUÁRIOS DE ÁGUA DOCE

Ocorrência da amônia no aquário

Sobras de alimentos, produtos da excreção dos peixes, restos de plantas e peixes mortos são desdobrados em amônia por bactérias heterotróficas, num processo chamado amonificação. Grande parte da amônia também se origina diretamente dos peixes, principalmente excretada pelas brânquias. Na seqüência deste processo a amônia, por ação de dois grupos de bactérias autotróficas nitrificantes, é oxidada primeiramente a nitrito e depois a nitrato.

Influência da amônia sobre os peixes

Níveis elevados de amônia provocam estresse nos peixes, com conseqüente diminuição da resistência imunológica, danos nas brânquias e destruição das nadadeiras. A amônia interfere na transferência de oxigênio das brânquias para o sangue e, em médio prazo, causa danos às próprias brânquias. As membranas produtoras de muco podem ser destruídas, reduzindo a limosidade de cobertura externa e danificando a superfície intestinal. Peixes sofrendo de envenenamento por amônia geralmente apresentam-se ofegantes, nadando na superfície e com comportamento apático.

Amônia tóxica

Quimicamente falando, a amônia no ambiente aquático pode apresentar-se em duas formas, ionizada (NH4+) e não ionizada (NH3). O balanço entre as duas formas é determinado principalmente pelo pH, e em menor grau pela temperatura. Com o aumento do pH, este balanço muda no sentido da forma NH3, aumentando exponencialmente sua proporção. Somente a forma NH3 é importante em termos de toxicidade. O risco de intoxicação, portanto, aumenta muito em aquários de pH caracteristicamente mais elevados, como os aquários de Ciclídeos Africanos.

Investigação da amônia

Teores da forma NH3 inferiores a 0,02 ppm são considerados seguros para os peixes, enquanto teores superiores a 0,04 ppm exigem providências. Labcon Test Amônia Tóxica mede primeiramente o teor de amônia total. Na tabela para definição do teor de NH3, deve-se relacionar o valor apurado de amônia total com os valores de pH e temperatura. Valores de NH3 na zona verde são considerados adequados. Os pontos localizados na zona amarela merecem atenção, enquanto os valores na zona vermelha indicam risco e pedem providências.

Providências

Ao se constatar valores de NH3 acima de 0,04 ppm (zona vermelha) deve-se imediatamente realizar sifonagem de fundo com troca parcial de água. Deve-se analisar e, se necessário, corrigir o pH da água a ser adicionada ao aquário. Esta não deve apresentar pH superior ao da água que já está no aquário, para não potencializar a amônia tóxica, ao elevar o pH da mistura. Em seguida deve-se verificar o funcionamento do sistema de filtragem e diminuir a alimentação habitual por alguns dias.

Mais informações sobre este e outros produtos da linha Alcon, Labcon pelo site: www.labcon.com.br

voltar...