Busca | Cadastre-se | Como Anunciar 
   
 CLASSIFICADOS
  
 Neg. & Oport.
   Empresas
   Equipamentos
   Serviços
   Outros
  
 Vagas
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Candidatos
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Cursos
  
 Vendo
  
 Doa-se
  
  
 GUIA EMPRESAS
 Adestradores
 Aquários
 Associações
 Atacadistas
 Aviculturas
 Banho e Tosa
 Canis
 Clínicas
 Consultorias
 Criadores
   Aves
   Roedores
   Reptil/Anfíbio
   Primatas
 Distribuidores
 DogSitter
 Entidades
 Fabricantes
 Gatis
 Hotéis
 Informática
 Laboratórios
 Padarias
 Passeadores
 PetShops
 Rações
 Representantes
 Serviços
 TaxiDog
  
 Lançamentos
 Reportagens
 Consultoria
 Dicas
 Veterinários
 Eventos
 Legislação
  
 Fórum
 Agility
 Raças
 Meu amigo Pet
 Pássaros
  
 PROMOÇÕES
 Busca
 Cadastre-se
 Como Anunciar
 Contato
  

   

ANOREXIA EM GATOS ASSUSTA DONOS E INCENTIVA PESQUISAS.

Geralmente fatal, doença já conta com produtos especiais para o tratamento

Gatos podem ser independentes e até antipáticos para alguns, mas seu organismo é frágil. Ficar sem comer por mais de um dia, por exemplo, pode até levar o animal à morte. A espécie ainda pode sofrer de uma doença assustadora para humanos e felinos: a anorexia – perda total de apetite do animal.

Como nos humanos, a anorexia felina pode ter origem psicológica. Mudança de ambiente e visitas de humanos ou animais estranhos estão entre os principais motivos de estresse. O gato pode até se sentir pressionado, por exemplo, quando o dono não respeita sua individualidade e exige do bichano o companheirismo de um cão.

A causa pode ser também algum problema orgânico – desde uma dor de dente a uma alteração do olfato.

No entanto, o problema pode ser muito mais simples de resolver: o gato pode não gostar do sabor, da textura ou do cheiro da ração usada pelo dono.

A preocupação é tanta que a Royal Canin, líder no mercado de alimentos secos nutricionais para cães e gatos no Brasil, resolveu investir pesado na melhora da alimentação dos gatos. No fim de 2005, lançou linha Feline Heath Nutrition com cinco programas nutricionais para vários tipos de gatos. Tem comida para os que ficam muito tempo dentro de casa (Indoor) e para os que gostam de passear (In & Outdoor), para nutrição do filhotes (Growth), para gatos sensíveis (Special) e até para algumas raças específicas (Breed). Os alimentos são desenvolvidos em cima de um estudo profundo sobre cada espécie de gato e respeitam a fisiologia de cada uma. “O alimento não tem sabor carne ou frango, ele simplesmente é atrativo e nutritivos aos animais. Pensamos no animal antes do dono”, explica Dr. Yves Miceli de Carvalho, responsável técnico e científico da Royal Canin.

Para saber se um gato está anoréxico, o dono deve ficar muito atento. Quanto antes detectada, maiores as chances do animal sobreviver. Se descoberta cedo, o felino poderá ser tratado com a ração Exigente, da linha Feline and Health Nutrition. São dois tipos de ração diferentes na mesma embalagem e o gato pode inclusive comer só a que mais gostar. Em casos mais graves, o veterinário pode prescrever a ração Intestinal (vendida apenas com receita), que tem grande valor calórico e altíssima palatabilidade.

Personagem

Ana Paula Soares Viveiros e seu gato Ariel mudaram do interior de São Paulo para a capital. Cinco dias depois, Ariel começou a comer e beber menos. Preocupada, a dona começou a medir a comida e percebeu, ao fim de uma semana, que o gato não ingeria nada, nem urinava e nem evacuava. De 5 quilos, o gato passou a 1,5 e ficou internado por 10 dias. “Foi diagnosticada uma virose hepática nele. Mas até hoje eu não descarto a possibilidade de um abalo emocional. Na antiga casa, ele podia pular pela sacada para correr atrás dos pássaros. Aqui teve que se adaptar a apenas cem metros quadrados”, conta Ana Paula.

Depois de muito forçar a ingestão de alimentos, Ariel começou a receber uma ração especial e hoje está vivo e saudável.

voltar...