Busca | Cadastre-se | Como Anunciar 
   
 CLASSIFICADOS
  
 Neg. & Oport.
   Empresas
   Equipamentos
   Serviços
   Outros
  
 Vagas
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Candidatos
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Cursos
  
 Vendo
  
 Doa-se
  
  
 GUIA EMPRESAS
 Adestradores
 Aquários
 Associações
 Atacadistas
 Aviculturas
 Banho e Tosa
 Canis
 Clínicas
 Consultorias
 Criadores
   Aves
   Roedores
   Reptil/Anfíbio
   Primatas
 Distribuidores
 DogSitter
 Entidades
 Fabricantes
 Gatis
 Hotéis
 Informática
 Laboratórios
 Padarias
 Passeadores
 PetShops
 Rações
 Representantes
 Serviços
 TaxiDog
  
 Lançamentos
 Reportagens
 Consultoria
 Dicas
 Veterinários
 Eventos
 Legislação
  
 Fórum
 Agility
 Raças
 Meu amigo Pet
 Pássaros
  
 PROMOÇÕES
 Busca
 Cadastre-se
 Como Anunciar
 Contato
  

   

VACINA É MELHOR PROTEÇÃO DOS CÃES CONTRA LEPTOSPIROSE

No Brasil, são dois os principais tipos de bactérias que provocam a doença

Até as próximas chuvas, cães podem ser protegidos contra leptospirose. A proteção ideal: vacinação contra as principais bactérias que causam a doença.

Tais bactérias são chamadas de leptospiras. Apesar de haver mais de 200 variantes delas, apenas duas são as que mais infectam os cães – L. icterohaemorrhagiae e L. canicola, ambas típicas das áreas urbanas. “Na zona rural ou no entorno de reservas florestais, outras variantes sorológicas das leptospiras podem infectar o cão, porém não há vacina para elas”, afirma a veterinária Mitika Hagiwara, professora titular do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (USP). “Infecção pelas bactérias gripotyphosa ou pomona, para as quais existe uma vacina comercial, é pouco freqüente no meio urbano”, alerta a professora.

As leptospiras são eliminadas para o ambiente pela urina de seus hospedeiros, como ratos urbanos, roedores silvestres e outros mamíferos domésticos ou silvestres. O homem e o cão se contaminam quando entram em contato com urina ou água infectada. Por isso, os donos de cães devem evitar contato do animal com águas paradas, locais úmidos à beira de córregos, ou sempre sombreados, e com acúmulo de detritos.

“A excessiva promiscuidade entre cães também pode resultar na transmissão da leptospira se um dos animais estiver contaminado”, esclarece Mitika, lembrando que “a prevenção da doença é feita pela imunização”.

Apesar de a estação das chuvas expor o animal a maior risco de contrair leptospirose, a disseminação das leptospiras no ambiente ocorre durante o ano todo. “O cão pode adquirir a infecção em qualquer época, se as condições ambientais forem precárias.”

O principal sintoma da leptospirose é icterícia, um sinal de comprometimento do fígado. “O cão doente pode apresentar febre na fase inicial, depressão, diarréia, vômito, desidratação, ulcerações na boca e necrose de língua, dependendo da bactéria que o infectou”, diz Mitika.

A professora explica que se o animal adquire leptospirose, há tratamento com boas chances de sobrevivência. “Mas, em alguns casos, apesar da aparente recuperação do animal, existe a possibilidade da manutenção da leptospira no rim por meses, o que pode resultar em insuficiência renal crônica no futuro.” Por isso, é melhor prevenir a doença com vacinação do que tratá-la depois de instalada.

A primeira vacinação do cão contra leptospirose deve ser feita em três doses com 3 a 4 semanas de intervalo entre cada aplicação. Os reforços devem ser anuais em dose única. A vacina Vanguard, fabricada pela Pfizer, protege cães contra várias doenças inclusive as duas formas urbanas de leptospirose.

A Pfizer é uma empresa de origem norte-americana que pesquisa, desenvolve e comercializa medicamentos líderes nas áreas de saúde humana e animal, além de possuir algumas das marcas mais conhecidas no setor de consumo. Presente em mais de 150 países, a empresa está no Brasil desde 1952 e, atualmente, tem mais de 2 mil funcionários.

São mais de 90 produtos no portfólio da Divisão de Saúde Animal da Pfizer. Entre os de maior destaque estão: Dectomax (antiparasitário para bovinos), TopTag (brinco para controle da mosca-dos-chifres em bovinos), CIDR (progesterona natural para aumentar a eficiência reprodutiva), Lutalyse (prostaglandina natural), Pathozone (antimastítico), RespiSure e RespiSure One (vacina contra pneumonia enzoótica em suínos), Lincomix e Linco-Spectin (antibióticos para o tratamento de infecções de aves e suínos), Revolution (medicamento contra parasitas externos e internos de cães e gatos), Rimadyl (antiinflamatório para artrite canina), Vanguard (vacina contra importantes doenças dos cães). A Pfizer também tem atuação na área agrícola, com destaque para os fertilizantes Cofermol-Plus (para culturas de soja, feijão, vagem, ervilha, alfafa e milho), Plantin Citrus (frutas cítricas) e Plantin II (café, algodão, frutas e hortaliças).

Como o consumidor pode entrar em contato com a Divisão de Saúde Animal da Pfizer: www.pfizersaudeanimal.com.br ou telefone 0800 11 19 19.

voltar...