Busca | Cadastre-se | Como Anunciar 
   
 CLASSIFICADOS
  
 Neg. & Oport.
   Empresas
   Equipamentos
   Serviços
   Outros
  
 Vagas
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Candidatos
   Banho&Tosa
   Veterinária
   Comerc/Vendas
   Adm
   Canil/Pass/Hot
   Motorista
   Outros
  
 Cursos
  
 Vendo
  
 Doa-se
  
  
 GUIA EMPRESAS
 Adestradores
 Aquários
 Associações
 Atacadistas
 Aviculturas
 Banho e Tosa
 Canis
 Clínicas
 Consultorias
 Criadores
   Aves
   Roedores
   Reptil/Anfíbio
   Primatas
 Distribuidores
 DogSitter
 Entidades
 Fabricantes
 Gatis
 Hotéis
 Informática
 Laboratórios
 Padarias
 Passeadores
 PetShops
 Rações
 Representantes
 Serviços
 TaxiDog
  
 Lançamentos
 Reportagens
 Consultoria
 Dicas
 Veterinários
 Eventos
 Legislação
  
 Fórum
 Agility
 Raças
 Meu amigo Pet
 Pássaros
  
 PROMOÇÕES
 Busca
 Cadastre-se
 Como Anunciar
 Contato
  

   

AQUÁRIO AJUDA A TRATAR DOENÇA DE ALZHEIMER

Matéria publicada no jornal FOLHA DE SÃO PAULO em 19/07/99, coluna Ciência

Uma professora de enfermaria da Universidade Purdue, nos EUA, está usando aquários para melhorar os sintomas do mal de Alzheimer.

Diante dos peixes coloridos, os pacientes ficam mais relaxados e atentos. Diminuem a duração e intensidade, comportamentos como agressões físicas, gritos e perambulações a esmo. Os pacientes também comem mais: o aumento é, em média, de 17,2%.

"A alimentação é sempre um problema, porque ou os pacientes estão correndo para cima e para baixo, ou estão tão letárgicos que não ficam acordados para comer", diz Nancy Edwards, a coordenadora do estudo.

Abrir o apetite significa reduzir a quantidade de suplementos nutricionais dados aos pacientes. A vantagem é dupla: a comida é mais saudável que os complementos e custa menos que eles. O aquário também reduz a quantidade de drogas e procedimentos para "acalmar" os pacientes.

O mal de Alzheimer, causado pela degeneração dos tecidos cerebrais, afeta principalmente após os 60 anos. A doença começa com a perda de memória. Depois, podem surgir confusão mental e distanciamento afetivo.

Edwards observou melhoras em todos esses aspectos. Os pacientes prestavam atenção ao tanque por até 30 minutos seguidos - segundo ela, um tempo relativamente longo.

Um mulher que nunca havia falado com ninguém dirigiu-se a Edwards: "Ei, moça dos peixes, quantos peixes há no aquário, seis ou oito?. Eram seis. A paciente continuou: "Uma vez contei seis; outra, contei oito".

Antes de começar o estudo, Edwards observou, por quatro semanas, o comportamento de 60 pacientes de três clínicas. Depois eles foram expostos, também por quatro semanas, aos aquários.

Alguns deles foram expostos, antes do aquário, a paisagens marinhas. Os desenhos, aparentemente não tiveram efeito.

Para Edwards, a "combinação de movimento, cor e som" é capaz de "estimular algumas funções cognitivas dos pacientes".

Outros estudos já haviam demonstrado que a convivência com animais de estimação tem efeitos terapêuticos.

A professora diz que, com portadores de Alzheimer, entretanto, há dificuldades. "Eles podem pisar no rado do gato ou puxar os pêlos do cachorro", conta. "O bom dos aquários é que eles são indestrutíveis."

Os aquários usam vidros ultra-resistentes, tampas lacradas e um fundo especialmente desenhado para facilitar a visão dos peixes por pacientes com catarata ou outros problemas visuais.

Os resultados preliminares da pesquisa foram divulgados em junho/99 na Conferência Internacional de Enfermagem, em Londres.

voltar...